Mercado de software livre a crescer 22% ao ano

6 08 2009

Casa dos Bits - Tek.sapo.ptO mercado mundial de software livre deverá crescer anualmente a uma taxa de 22,4 por cento até 2013, segundo previsões recentes da IDC.

Nesse ano as receitas mundiais deverão subir até aos 8,1 mil milhões de dólares (cerca de 5,6 mil milhões de euros).

A avaliação da adopção de software livre como uma decisão estratégica por parte das empresas está na origem do crescimento, refere a consultora.

Ler artigo completo em http://tek.sapo.pt

Anúncios




It’s Time for an International Linux Summit

20 07 2009

tux_book_circle

Just like the international gang summits in Los Angeles, Linux needs a collective, “sit-down” to discuss the future of this now formidable operating system. I’m not talking about a nice little get together with keynote speakers with high-powered, 10,000 foot views of where Linux is and where it’s going. And I’m not talking about vendor booths touting the latest and greatest Linux toys or big blowout parties from a spectacle-making platinum sponsor.
What we need is a nuts and bolts, sound-proofed room, gathering of the minds and Linux thought leaders to discuss Linux, its current state, its legal standing and its future as an operating system.

It’s time to get serious.

It’s time to focus on the future.

We need key players and contributors from Google, Yahoo, Red Hat, Novell, Debian, Ubuntu, The Linux Foundation, Slackware, CentOS, Oracle, IBM, HP, Intel, AMD, VMware and Citrix to come together and hash out a grand plan for this once niche operating system that’s grown up into the enterprise-level beast that has changed the world.

We need for the best minds in the world to come together in one place for a concentrated focus on creating a Linux map for the next 10 or so years. This map should include the role of Linux in cloud-based computing, virtualization, embedded applications, supercomputing, space exploration, education and energy.

Read the full story at Daniweb





A arrogancia da Microsoft chega aos Netbook’s

9 06 2009

ballmer_monkeyAh, Microsoft, that crazy company from Redmond, WA is at again. This time they want to rename the Netbook unilaterally to the…drum roll please…”low cost small notebook PC.”

Novamente o Steven Guggenheimer  da divisão OEM da Microsoft é noticia neste blogue 😀

A Microsoft na sua arrogância habitual prentende mudar o nome adoptado pela Intel para os Netbooks para low cost small notebook PC o que em português de Portugal será o equivalente a “notebook de baixo custo”. A Microsoft chegou a esta conclusão sozinha sem consultar todos os outros OEM’s interessados na comercialização destes produtos tais como a Intel, HP, Dell entre outros.

Houve uma altura em que quiseram mudar o termo navegar na Internet para Explorar a Internet para de alguma forma conotarem o termo ao Internet Explorer e assim combater a Netscape. Estes tipos não aprendem e passam pelo ridículo

Segundo o blogue da Daniweb

As first reported in the Digitimes last week, Microsoft decided on their own that the name was not appropriate and they were renaming it. I’m fairly sure they didn’t consult with the rest of the industry about this change, but hey they’re Microsoft right? They can do whatever they please. Of course, it doesn’t mean the rest of the world has to go along.

Same Old Song and Dance

I doubt very much that anyone was actually looking for a new name, certainly not Intel, the company selling the chips to power these machines, which actually coined the term. This is after all a hardware issue and the last I looked Microsoft doesn’t actually make PCs, but why should that stop them from trying to force an entire industry to bow to their considerable will.

Even if the Netbook industry were looking for a new name, I’m pretty sure it wouldn’t be from the succinct “Netbook” to the mouthful of “Low cost small notebook PC.” Sure, that rolls off the tongue and should make the folks who write the marketing copy very happy.

It’s Really About Selling Windows 7

Digitimes reports that Steven Guggenheimer, corporate vice president, Original Equipment Manufacturer (OEM) Division, Microsoft said the Netbook name suggests it’s only for internet use and these machines can do so much more. On this we can agree, but why change the name? If Netbook sales were anemic maybe one could understand a pitch for a change, but they seem to be doing quite well.

Could it be that Microsoft doesn’t trust the hardware manufacturers to name these machines correctly or for the public to understand what they are without being hit over the head? No, as it turns out that’s not it at all. What it’s about is selling more expensive copies of Windows 7. You see, by creating a new higher end Netbook, they can justify forcing the manufactures to adopt a more expensive version of Windows 7. In the end. this is just a ploy for selling a few more copies of the more expensive version of Windows.

Ler entrada original no blogue da Daniweb





Migração para GNU/Linux (pt. I)

3 04 2009

tux-campusVim agora de uma empresa de Marketing pela qual fui contactado para ir instalar uma máquina piloto com GNU/Linux.

O gerente usava Windows até ter comprado um portátil Acer aspire one que vem pré-instalado com o Linpus. Neste caso o gerente tem o portátil faz dois meses e habituou-se tanto ao Linpus que já não quer outra coisa.

Foi apenas depois de algumas explicações que ele acedeu a ser instalado o ubuntu na variante do KDE (kubuntu)  em vez do Linpus.

Finalmente o convenci com o argumento que se ele se habituou a usar o Linpus em vez do Windows depois de tantos anos a usar o sistema da Microsoft também não teria dificuldades a usar outro ambiente. Afinal ambos os sistemas não são mais que um ambiente de trabalho constituído pelos icons que mais usamos, isto para simplificar 😀

Conversamos posteriormente sobre alguns pontos da mudança e o que esperar dos utilizadores que irão mais tarde usar este novo sistema. Falei também dos formatos e principalmente dos ficheiros do Office 2007 no formato docx e como proceder para alertar educadamente as empresas que enviem documentos no novo formato do Office 2007.

Nestas coisas das mudanças radicais há sempre aquele impacto das pessoas se habituarem a uma coisa nova e eu tive o cuidado de lhes perguntar se ele queria que lhe instalasse o Office 2003 no Wine visto a empresa possuir três licenças originais do produto. Prontamente ele respondeu  “se eu consigo fazer tudo no OpenOffice eles que se amanhem, também vão conseguir”.

Depois de esclarecidos os pontos e dúvidas iniciais passemos à accão

Escolhido o PC para deitar abaixo, um P4 2.80 com 1.5GB de memória RAM  na qual o XP se arrastava devido ao largo tempo que já fora instalado, eis que deito mãos à obra e começa a tarefa de fazer uma das coisas que me dá mais prazer – erradicar mais um Windows.

Depois do serviço concluído ele disse “que estranhava o facto de a máquina estar tão rápida” ao qual eu respondi que sim, o Linux faz muito melhor aproveitamento do Hardware que o Windows e que acima de tudo daqui a 1 ano ele carrega no botão para ligar o computador e vai continuar a achar que a máquina continua bastante rápida ao contrário do Windows que com o tempo se vai tornando cada vez mais lento e maçudo.

Sistema instalado, passemos ás parametrizações.

Configurei-lhe o ambiente de trabalho de uma forma “natural”, configurar uma multi-funções da HP com scanner, fax, impressão e OCR com o HPLIP é mais fácil no Linux que no Windows, isto sem necessidade de andar à procura de controladores na Internet.

Para email eles usam uma conta Google Corporate, não havendo necessidade de andar a converter PST’s do Outlook.

Portanto, tal e qual como a maioria das pequenas empresas, eles necessitam de um pacote de produtividade ( OpenOffice ), um browser ( Firefox ), instalei o Scribus e o Inkscape para algum trabalho gráfico que precisem de fazer, o KMess (svn) para as mensagens, o pdfimport para poderem editar PDF’s a partir do OpenOffice  e daqui a 15 dias se tudo correr bem migro as outras máquinas.

Assim que tiver mais novidades sobre a migração irei documentar aqui no blog.





Linus dá em barbeiro

23 01 2009

Linus Torvalds o pai do Linux ( Kernel ) apara a barba ao CTO da Hewlett-Packard, Bdale Garbee numa acção para angariar dinheiro para salvar os diabos da Tasmânia que estão em perigo.

beard

Fonte Original