e-escola envolto em polémica

29 06 2009

dsc00153Noticia do TEK.

A Fundação para as Comunicações Móveis não é “fantasma”, tal como acusou, na passada quarta-feira, o líder parlamentar do PSD, Paulo Rangel, durante o debate quinzenal no Parlamento, estando afinal responsável pela estrutura de controlo da execução do programa e-escolas.

As explicações foram dadas pelo ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Mário Lino, ao  Jornal 2 , nesse mesmo dia, que foi desafiado a prestar contas na AR.

Ao que indica esta sexta-feira a edição do  Jornal de Negócios , o MOPTC nunca revelou o orçamento da Fundação para as Comunicações Móveis nem como o dinheiro tem sido aplicado.

A Fundação para as Comunicações Móveis foi constituída em 2008, tomando a forma de Fundação, mas com os objectivos que tinha o fundo para a sociedade de informação acordado com os operadores móveis – Optimus, TMN e Vodafone – em 2007.

Ler artigo completo

Anúncios




Microsoft Portugal – mais um caso de ajuste directo

29 06 2009

trustSegundo o Tek

Depois da polémica em torno da impossibilidade de pesquisar informação no Portal criado para ajudar a dar transparência aos contratos realizados ao abrigo do novo Código dos Contratos Públicos, divulgando a informação relativa a estes procedimentos e à sua concretização, a plataforma é alvo de nova polémica.

De acordo com a edição de hoje do jornal Público, o contrato que ditou a escolha do parceiro para a criação da plataforma foi feita por ajuste directo e não passou por concurso público. O diário também refere a existência de derrapagens ao custo inicial do projecto adjudicado, mesmo antes de estarem activas todas as funcionalidades previstas originalmente. A Microsoft é a empresa envolvida no processo e a responsável pela execução do trabalho.

O Instituto da Construção e Imobiliário (InCI), entidade responsável pela execução do Código dos Contratos Públicos e pela criação de um portal, explicou ao diário que o projecto foi adjudicado à Microsoft em Junho do ano passado por 268.800 euros. O ajuste directo foi a fórmula escolhida pela “urgência de implementação do portal”, que teria de estar pronto com a entrada em vigor do novo código, como explicou a mesma fonte.

Ler Artigo Completo.

Entradas relacionadas com esta:





Várias do Blogue “o Vigia”

18 06 2009

1720-5299O tempo por estes lados escasseia e aproveito para deixar o link para algumas noticias que mostram o desenvolvimento do Software Livre por essa Europa fora.

Excluíndo Portugal que teima em atribuir sem concurso público por ajuste directo aos amiguinhos do costume como a JP Sá Couto, Microsoft entre outros, lá fora os nossos vizinhos apostam no Software Livre principalmente na educação.

Outros desenvolvimentos no blogue de “O Vigia”

______________________________________________________

Curiosidades:

Já repararam na discrepância de resultados quando se procura por EDGI+Microsoft?

No Google

No Bing da Microsoft

Também podemos procurar por Antitrust+Microsoft e observar os resultados.

Realmente o Bing dá-nos os resultados que mais convém à Microsoft.

Em comunicado, a Microsoft explica as principais melhorias, garantindo que o novo serviço traz uma forma diferente de apresentar resultados, que tenta ir mais encontro das necessidades do utilizador.





A arrogancia da Microsoft chega aos Netbook’s

9 06 2009

ballmer_monkeyAh, Microsoft, that crazy company from Redmond, WA is at again. This time they want to rename the Netbook unilaterally to the…drum roll please…”low cost small notebook PC.”

Novamente o Steven Guggenheimer  da divisão OEM da Microsoft é noticia neste blogue 😀

A Microsoft na sua arrogância habitual prentende mudar o nome adoptado pela Intel para os Netbooks para low cost small notebook PC o que em português de Portugal será o equivalente a “notebook de baixo custo”. A Microsoft chegou a esta conclusão sozinha sem consultar todos os outros OEM’s interessados na comercialização destes produtos tais como a Intel, HP, Dell entre outros.

Houve uma altura em que quiseram mudar o termo navegar na Internet para Explorar a Internet para de alguma forma conotarem o termo ao Internet Explorer e assim combater a Netscape. Estes tipos não aprendem e passam pelo ridículo

Segundo o blogue da Daniweb

As first reported in the Digitimes last week, Microsoft decided on their own that the name was not appropriate and they were renaming it. I’m fairly sure they didn’t consult with the rest of the industry about this change, but hey they’re Microsoft right? They can do whatever they please. Of course, it doesn’t mean the rest of the world has to go along.

Same Old Song and Dance

I doubt very much that anyone was actually looking for a new name, certainly not Intel, the company selling the chips to power these machines, which actually coined the term. This is after all a hardware issue and the last I looked Microsoft doesn’t actually make PCs, but why should that stop them from trying to force an entire industry to bow to their considerable will.

Even if the Netbook industry were looking for a new name, I’m pretty sure it wouldn’t be from the succinct “Netbook” to the mouthful of “Low cost small notebook PC.” Sure, that rolls off the tongue and should make the folks who write the marketing copy very happy.

It’s Really About Selling Windows 7

Digitimes reports that Steven Guggenheimer, corporate vice president, Original Equipment Manufacturer (OEM) Division, Microsoft said the Netbook name suggests it’s only for internet use and these machines can do so much more. On this we can agree, but why change the name? If Netbook sales were anemic maybe one could understand a pitch for a change, but they seem to be doing quite well.

Could it be that Microsoft doesn’t trust the hardware manufacturers to name these machines correctly or for the public to understand what they are without being hit over the head? No, as it turns out that’s not it at all. What it’s about is selling more expensive copies of Windows 7. You see, by creating a new higher end Netbook, they can justify forcing the manufactures to adopt a more expensive version of Windows 7. In the end. this is just a ploy for selling a few more copies of the more expensive version of Windows.

Ler entrada original no blogue da Daniweb





Também não precisamos de ti – Asus

7 06 2009

virusAfter reading articles like this one today. It’s safe to say that this sucks.  Linux MADE Asus the market leader it is.  Xandros bent over backwards to tailor a UI specifically for the tiny 7inch screeen that really did make the first netbooks fly.  Now this crap.

Some of the things that I’ve learned by asking (off the record) some local retailers of the Asus systems.  These retailers tend to be more hands on than a “Best Buy”.
1.  Linux outsold XP until Asus stop shipping Linux

Escreve assim James Sparenberg no seu blogue frustado por a Asus ter revelado planos de descontinuar a venda de Netbooks com Linux. Mais grave e vergonhoso ainda foi o facto de o Administrador da Asus ter-se desculpado perante Steven Guggenheimer da divisão de OEM’s da Microsoft por ter sido apresentado um modelo Asus na exposição da Qualcomm a correr o Google Android Linux

Tal como o editor do artigo original, eu que sempre preferi e recomendei Asus a amigos e clientes, tendo em conta que a HP, a Dell, a Acer estão a investir neste mercado e não se vendem à Microsoft, farei o mesmo daqui em diante. Asus, não obrigado!





Estará a Microsoft a comprar os vendedores de Netbooks?

4 06 2009

ballmer_monkeyA computex iniciou dia 2 de Junho e têm sido mostrados vários Netbooks ARM e ATOM a correr Linux.

Até aqui não existe novidade mas existem suspeitas que a Microsoft anda a “comprar” fabricantes de Hardware ( OEM ‘s) para que estes não lancem modelos com Linux.

No segmento baseado em processadores Intel ATOM a Microsoft tem o Windows XP para concorrer com o Linux. Quando chegamos à  tecnologia ARM as coisas são diferentes tendo apenas o Windows CE para este segmento. Espera-se um grande “boom” no final deste ano de Netbooks com arquitectura ARM porque comparado com os ATOM estes têm menor consumo chegando a bateria a durar 10 Horas e uma melhor performance além de um preço bastante inferior.

Apesar de o lançamento do Windows 7 ter sido antecipado para Outubro deste ano parece que a ameaça do Linux não deixa a empresa liderada por Steve Ballmer deixar o mercado actuar de uma forma natural preferindo assim negar à população em geral a possibilidade de verem o Linux a trabalhar. Ficam então Links em baixo para algumas noticias sobre algumas aparentes irregularidades de actuação de controlo do mercado.

Clicar nos Links para ir para os tópicos em questão ( inglês apenas )

Asus cancela projecto de Netbook com Linux

A Asus faz  campanha Anti-Linux/pró-Microsoft nos Netbooks.

ComputerWorld – Microsoft strikes back at Linux netbook push

Is Microsoft ‘Buying-Off’ Linux Netbook Vendors? [Updated]

ASUS Linux insult will be Intel and Dell’s gain





A Microsoft e os Governos (Actualização na Suiça )

1 06 2009

1720-5299Na Suíça as empresas que se queixaram contra a Microsoft e o governo Suíço obtiveram uma vitória parcial no  Tribunal Federal Administrativo.

Open-source firms win partial victory over Microsoft in Switzerland

The Swiss News Agency (SDA) reported on Thursday, 28 May, that the Swiss Federal Administrative Court had issued an immediately enforceable ruling (“Superprovisorische Verfügung”) that stops the award of a large federal government order to Microsoft.

The Swiss Federal Office for Construction and Logistics (BBL) had previously awarded an order to Microsoft for the extension of licences, maintenance and support worth 42 million Swiss francs, without putting it out to public tender. Many open-source firms – including the Linux suppliers Red Hat, Univention and Collax and the groupware specialists Zarafa and Open-Xchange – objected to this award procedure.

A regulation has been in force in Switzerland since 2004 that requires open-source software to be examined on the same basis as conventional proprietary products in procurement procedures at federal administrative level. Although, in principle, orders can be allocated directly without the issue of a public invitation to tender, there must be special reasons for doing so.

Ler noticia completa